Estrias: tratamentos a laser estimulam regeneração da pele

Os avanços na Medicina têm propiciado a expansão de opções para tratamentos de pele, especialmente com a utilização de técnicas a laser. No caso do surgimento de estrias, o que antes poderia ser irreversível, hoje tornou-se uma alternativa que pode regenerar áreas afetadas pelo problema. Essa manifestação caracteriza-se por alterações na superfície da pele. As estrias são conseqüência da ruptura das fibras elásticas e colágenas da pele. Se caracterizam pelo surgimento de faixas de pele atróficas, enrugadas, causadas por uma distensão exagerada das fibras elásticas. Num primeiro momento, surgem avermelhadas, a seguir de cor púrpura e, nos casos mais intensos, com coloração branca. 

Ocorrem mais comumente no abdome, nádegas, coxas e nos flancos (região conhecida popularmente como cartucheira). Atingem predominantemente o sexo feminino (60%), comparativamente ao sexo masculino (40%). São observadas na gravidez, obesidade, síndrome de Cushing, tratamentos sistêmicos com corticosteróides e ACTM e tratamentos tópicos com corticosteróides fluorados. Mais recentemente, tem se observado estrias causadas por aumento exagerado da massa muscular.

Com o desenvolvimento do laser, o número de tratamentos se ampliou. Temos pelo menos cinco procedimentos viáveis, que apresentam resultados, e que devem ser recomendados por um especialista de confiança do paciente após analisar o caso pessoalmente. Eis as alternativas:

1. Aplicações de laser de CO2 fracionado: esta técnica promove a vaporização da água da pele, estimula a produção do colágeno (que é a proteína que dá sustentação à pele), cicatrização e retração da área estimulada. Ameniza as marcas deixadas pelas estrias e melhora o aspecto da região tratada;

2. Aplicações de Laser Er:Yag, que tem a finalidade de estimular a produção de colágeno. Assim como o outro proceimento, recupera a aparência da área tratada;

3. Peelings com ácido retinóico feitos pelo médico, a cada duas ou três semanas, para amenizar as marcas;

4. Uso tópico de cremes com ácido retinóico, de uso domiciliar, que podem ser aplicado pelo próprio paciente, sob supervisão médica; Há restrições em relação à exposição ao Sol;

5. Uso de cremes com vitamina C, que ajudam a estimular a formação de colágeno.

Grávidas não podem se submeter a nenhum desses tratamentos. Após a gestação, as terapias já podem ser aplicadas mesmo durante a amamentação. O melhor a fazer é usar preventivamente substâncias hidratantes potentes (óleo de amêndoas, alantoína, uréia com a finalidade de prevenir o aparecimento de novas estrias), evitar ganho de peso excessivo e aumento repentino de massa muscular.

Ricardo Fenelon, dermatologista, presidente da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina, seccional Centro-Oeste 

 

Fonte: Blog da Saúde

136 comentários

  1. Gostaria de saber quanto fica para retirar as estrias da barriga

    1. Olá, Iasmim. Tudo bem? Temos resultados satisfatórios em tratamentos com nossos pacientes com estrias. Mas o ideal é uma avaliação do seu caso para determinarmos o tratamento mais adequado. Vamos enviar para o seu e-mail todas as informações, ok? Obrigado pela mensagem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.