Revista Encontro Brasília publica matéria sobre queda de cabelo

Revista Encontro Brasília - Clínica Ricardo Fenelon

 

Confira na edição deste mês, dezembro, da Revista Encontro Brasília a publicação completa sobre as causas e tratamentos da queda de cabelos em homens e mulheres. Confira:

Revista Encontro - queda de cabelo - Clínica Ricardo Fenelon - Brasília

Tônicos capilares: eles fazem milagre?

A queda de cabelo afeta homens e mulheres. O que dizem dermatologistas sobre novos produtos e tratamentos para alopecia feminina e masculina, e quais as dicas para mantê-los saudáveis

* Por Vilhena Soares

A queda acentuada dos fios faz com que homens e mulheres fiquem amedrontados diante dos riscos iminentes da calvície. Quanto mais cedo essa percepção ocorrer, melhor é, porque o tratamento precoce é o que tem mais chances de gerar resultados positivos. Os médicos também revelam quais as terapias capilares mais utilizadas atualmente na área dermatológica e por que têm proporcionado ganhos animadores aos pacientes.

As causas da perda de cabelo podem ser diversas e para tratar esse problema da melhor forma possível é preciso entender qual a sua origem, uma tarefa que só pode ser feita por um especialista. É o que afirma o dermatologista Ricardo Fenelon.

“Existem inúmeras causas, como o hipotireoidismo, o estresse, a depressão, até a anemia. Todos esses problemas podem modificar o ciclo de cabelos e provocar a queda, mas só o médico pode determinar a causa”, diz.

Fenelon explica que a queda dos fios está relacionada a um desequilíbrio hormonal.

“A testosterona é a responsável, por isso esse problema de saúde se manifesta já na puberdade nos homens, quando ocorre o aumento das entradas, depois atinge o centro e em seguida a região posterior da cabeça. Já nas mulheres, ocorre uma rarefação difusa, uma redução na qual se começa a enxergar o couro cabeludo”, diz o médico.

Apesar da grande quantidade de causas relacionadas à perda dos fios, os especialistas ressaltam que mais freqüente é a alopecia androgenética, que atinge tanto homens quanto mulheres. “É um problema genético. Esse tipo de calvície é determinado por uma herança de família”, frisa o dermatologista Erasmo Tokarski. O especialista explica que uma avaliação cuidadosa é necessária para determinar o tipo correto de tratamento da calvície, principalmente a alopecia androgenética. “Realizamos um exame chamado de tricograma e com ele avaliamos se é necessário um tratamento oral, tópico, que é aplicado diretamente no couro cabeludo, ou outras técnicas, como o uso do laser”, diz Tokarski. Segundo ele, o laser fracionado é um dos tratamentos mais recentes, porque abre os canais para que o medicamento consiga ter mais acesso e dessa forma agir mais intensamente.

“Ele age no que chamamos de camada córnea, que é a camada mais superficial da pele”, detalha Fenelon.

Revista Encontro - queda de cabelo - Clínica Ricardo Fenelon - Brasília

O dermatologista Wesley Ferreira também destaca um novo tipo de tratamento com resultados positivos no tratamento da alopecia androgenética, a mesoterapia. “São pequenas injeções aplicadas direto no couro cabeludo para alcançar o folículo capilar”, diz. Essa estratégia, de acordo com o médico, faz com que o medicamento aja de maneira mais rápida e eficiente.

A médica Wanessa Fortunato, de 40 anos, é umas das pacientes que têm se beneficiado do uso da mesoterapia. “Eu comecei a notar que meu cabelo caía muito, principalmente na parte da frente. Pelas fotos também percebi que eles estava muito ralo. Por isso decidi  procurar logo um especialista, antes de piorar, o que me ajudou bastante”, conta. Wanessa fez três sessões com injeções durante seis meses e gostou do resultado: “Notei uma boa melhora”. Aracelle Carvalho, de 31 anos, também é médica e outra paciente que busca tratamentos para sua alopecia androgenética. “Percebi a diminuição dos fios e a queda pela quantidade de cabelos no ralo do banheiro, por exemplo. Como já tenho casos na família e uma tia minha sofre com isso, achei que era melhor procurar logo um especialista”, revela. Aracelle ainda não começou um tratamento, já que está na fase de avaliação. Mas ela não esconde o otimismo: “É bom saber que temos tantas opções para esse problema, é reconfortante”, diz.

Enquanto isso, a indústria de cosméticos aposta nesse tipo de consumidor, que vê surgir todo dia nova onda de tônicos e outros produtos que prometem evitar a queda, fortalecer os cabelos e até fazê-los nascer novamente. Os médicos explicam que a infinidade de produtos capilares que existem no mercado e prometem acabar com a queda de cabelos, em sua maioria tônicos capilares, não gera um resultado positivo. “Sabemos que os fios têm de estar bem hidratados, que o cabelo de pessoas negras, por exemplo, é mais desidratado e por isso precisa de mais cuidado. Os tônicos agem nesse caso, mas apenas superficialmente, melhorando o brilho e a maciez, mas diretamente sobre a queda, o efeito é mínimo”, diz Tokarski.

Revista Encontro - queda de cabelo - Clínica Ricardo Fenelon - Brasília

Fenelon ressalta que a melhor prevenção é o mesmo buscar um especialista logo ao notar que a queda está acentuada: “É preciso saber o motivo desse problema e procurar logo um profissional de confiança para garantir os melhores resultados”, afirma. O especialista também ressalta que, no futuro, podem surgir outras opções de tratamento para quem sofre com a calvície.

“Temos visto muitos estudos surgindo na área de células-tronco, devido a um grande interesse da indústria de remédios, mas ainda são incipientes”, completa o dermatologista.

Ferreira alerta para o uso de medicamentos diversos que não têm ainda aprovação. “Existem vários produtos que não possuem registro da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que testa e controla os produtos), e eles podem ter efeitos colaterais. É preciso ter muito cuidado”. Outro ponto destacado pelo especialista são os cuidados diários com o cabelo:

“É preciso evitar uma agressão excessiva do couro cabeludo, em relação à tração principalmente. Tem gente que prende e puxa o cabelo demais. Quem tem os fios mais grossos geralmente faz isso. Outro problema são os apliques pesados. Tudo isso pode fracionar demais os fios e causar uma alopecia de tração, deixando os cabelos mais fracos e quebradiços”, diz Fenelon.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *